Aguarde...
Tribunal Regional do Trabalho - 9ªRegião

Tribunal Regional do Trabalho 9ª Região

Página gerada em: 14/06/2021 20:54:42

Minha primeira experiência com o Zoom

Notícia publicada em 21/01/2021

A minha estreia em videoconferências foi por meio do Zoom.

Fiquei preocupado com a empreitada porque sou um pouco arredio a novidades tecnológicas – como é provavelmente o perfil de parte da população, em particular das gerações mais velhas.

Uma reunião virtual parecia, para mim, algo muito complexo, uma operação tecnológica mais avançada do que a experiência proporcionada pelo Skype, por exemplo.

Pensei também em meus equipamentos de informática domésticos. Será que seriam “modernos” o suficiente? Será que “dariam conta” de uma reunião on-line?

À época, eu tinha um notebook com oito anos (velho) e de uma conexão de internet com velocidade de 10 Mb (OK).

A pessoa responsável pela reunião mandou o link para os convidados (eu era um deles). Para criar reuniões, você precisa fazer um cadastro no Zoom. Como convidado, não precisa.

Entrei na reunião por meio de um link que pode ser enviado por WhatsApp, Facebook, e-mail, ou outras formas de comunicação on-line.

Ao clicar no link, surgiu na tela uma mensagem informando que eu devia baixar o “Zoom Meeting” no meu equipamento.

Após instalar a ferramenta – procedimento que durou cerca de dois minutos –, uma nova mensagem apareceu, desta vez pedindo para eu inserir o meu nome como membro da reunião. Após me registrar, entrei rápido no encontro virtual.

Na tela aparece a imagem de todos os participantes com os respectivos nomes. Os ícones para abrir e fechar a câmera e o áudio, no canto inferior esquerdo, são bem visíveis.

A reunião transcorreu com poucos problemas técnicos. A tela dos participantes congelou em dois ou três momentos, mas logo depois voltou ao normal.

As vozes estiveram audíveis em praticamente toda a reunião. A videoconferência durou cerca de uma hora. 

Tudo foi mais fácil na experiência seguinte, ainda mais porque o “Zoom Meeting” já estava instalado no meu notebook. Bastava clicar no link da reunião para participar de uma videoconferência.

Desde então, a reunião virtual no trabalho tornou-se um procedimento de rotina, sendo realizada, no mínimo, duas vezes por semana. Mas há colegas que participam de reuniões virtuais diversas vezes em um mesmo dia.

A quem nunca participou de uma videoconferência, esclareço que o procedimento é tão complexo quanto encaminhar um e-mail ou postar uma imagem em uma rede social.

Em tempos de isolamento, com frequência uso a ferramenta também fora do trabalho.  

Ao menos para parte da população, e cada vez mais, a videoconferência deve se tornar um hábito.

 

Texto: Gilberto Bonk Jr.
Assessoria de Comunicação
(41) 3310-7309
ascom@trt9.jus.br